Desligar música aqui

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

CONTO DE NATAL "AGENDA VERMELHA" - Elen de Moraes Kochman




http://www.tribunaportuguesa.com
       
            
Elen de Moraes Kochman

O batom escarlate da assistente social, em contraste com sua pele clara, não permitia que Lucas se concentrasse no que ela lhe dizia. Baixou os olhos para não ser indiscreto, mas deu de cara com fartos seios, apertados num generoso decote, dando a impressão que iriam se desinflar à medida que ela respirava, ou saltar do minúsculo esconderijo. Embaraçado, fixou o olhar nos enfeites natalinos da ampla sala e na Senhora franzina, de óculos antiquados, que combinava, estranhamente, com os tecidos envelhecidos das poltronas e com as estantes escuras. Sentiu-se nostálgico com o quadro que acabara de visualizar, onde o tempo deixara marcas, sem tirar a suntuosidade. Talvez a moça com seu batom flamejante e seios à mostra só quisesse imprimir cor e vida ao ambiente.

Voltou-se quando, delicadamente, ela tocou seu braço e lhe entregou as chaves do apartamento que sua mãe ocupava e um presente embrulhado em papel com motivo natalino, amarrado com laços verde e dourado e um cartão que dizia “Para meu filho, com amor. Raquel”. 

*****
Mãe e filho não se encontravam havia mais de um ano, desde que ele assumira, como engenheiro responsável, a obra de uma autoestrada no interior do país. A responsabilidade, a dificuldade de locomoção e a falta de coragem para enfrentar longas horas num transporte hidroviário, para só depois pegar um voo, foram os motivos da prolongada ausência.  Antes da transferência, os dois chegaram a um consenso de que seria melhor que ela fosse viver num hotel para a terceira idade, com atendimento médico, do que ficar sozinha no casarão onde moravam, sem ter quem a assistisse, caso precisasse. Decidiram-se por aquele simpático hotelzinho nas montanhas. 

*****
Lucas entrou, fechou a porta, abriu a janela e uma lufada de melancolia invadiu, com a brisa da tarde, o quarto bem decorado onde vivia sua mãe. Seu olhar perdeu-se nas colinas que cercavam aquela cidadezinha. Passou as mãos pelos cabelos, gesto repetido sempre que se sentia desconfortável. Abriu o presente e viu que se tratava de uma agenda vermelha, com anotações e fotografias. Balançou a cabeça sorrindo por sua mãe conseguir, ainda, surpreendê-lo. 

Chamou-a pelo celular, mas estava fora de área. Deixou recado. Lucas sentiu uma ponta de remorso por tê-la deixado ali tantos meses, sem visitá-la. Jogou-se na cama com a agenda nas mãos. Segurou-a por instantes sobre o peito, como se tivesse receio de lê-la. 

As primeiras anotações versavam sobre questionamentos de como suportar ausências e sobreviver à solidão e à saudade. Durante dois meses elas se referiam às caminhadas, hidroginástica e conversas com amigos virtuais. Algumas com letras grandes: “Só hoje meu filho telefonou. Coitado, perdendo a vida como perdeu o casamento”. 
Notas grifadas: “Vitório, novo hóspede, é alegre e jovial”, “Aceitei acompanhá-lo aos bailes que o hotel promove”, “Jantamos fora”, “Fomos ao cinema”, ”Fomos ao teatro”. 
Numa foto Raquel e Vitório estão de mãos dadas, entre outras pessoas. 
Anotações de Natal: “Três meses aqui. Não me acostumo!”, “Véspera do primeiro Natal. Sozinha”,“Vitório viajou. Presenteou-me com um coração numa corrente”, “Meu filho, talvez, me faça uma surpresa”. 
Uma nota com letras maiores, ocupando uma página inteira: “Decepcionada. Lucas não veio! Telefonou”. 
Entre o Natal e o Ano Novo, nada anotado. Desenho de lágrimas nas páginas em branco. 
Semana seguinte: “O Psicólogo aconselhou-me terapia de grupo”. 
Um mês depois: “Vitório voltou sem a alegria de antes”.
Outras anotações falavam da participação dele na terapia. Fotos do amigo e outros hóspedes. E uma visita inesperada: “Carol e Maísa, neta e ex-nora, me visitaram. Carol, linda! Maísa, escultural como antes”.  Junto, uma foto das três, sorridentes. 

Lucas tentou nova ligação. O telefone continuava fora de área. Impacientou-se. Abriu a agenda e observou, demoradamente, a foto da família. Sua filha, muito séria para seus 18 anos, porém sua ex-mulher conservava o sorriso que o encantara quando se conheceram. Sentiu o coração apertado, mas reconhecia que colocara a carreira como prioridade e ela teve razão ao pedir o divórcio. Casamento desfeito, relacionara-se com outras mulheres, porém sem compromissos. Quanto à filha, ia vê-la quando podia, cumpria suas obrigações financeiras como pai, porém deixou de visitá-la, definitivamente, quando a menina preferiu, pela segunda vez, viajar com a mãe e o suposto padrasto, do que passar as férias com ele e a avó. Jamais entendeu se a mágoa foi pela filha ou se pela ex-esposa tê-lo esquecido tão depressa. 

Continuou folheando a agenda, olhando as fotografias e se deteve numa, onde Raquel, Maísa, Carol e Vitório estão numa festa. A anotação diz: “Vitório me pediu em casamento. Aceitei. Ficamos noivos”, “Preciso conversar com meu filho”, “Carol e Maísa vieram para a comemoração”.

Lucas fechou a agenda, aborrecido. Como que então sua mãe aceitara casar-se com um desconhecido, sem discutirem o assunto! Agora nem pensar em voltar para a obra, sem encontrá-la. Ligou para o escritório avisando que precisava resolver problemas familiares e que remarcaria a passagem. Anoitecia quando desceu a serra. Como o casarão da família ficava a caminho do hotel onde se hospedara, decidiu passar por lá para ver como estava o imóvel. 

***

Estacionou o carro. Viu as luzes acesas e a casa enfeitada.  Abriu o portão, atravessou o jardim iluminado e pensou que talvez Raquel a tivesse alugado. Preferiu tocar a sineta da porta e aguardar. Alguém a abriu. Todos o olhavam, num misto de espanto e alegria. Entretanto, era como se esperassem aquele milagre. 

Raquel se adiantou para recebê-lo e no seu abraço havia grande contentamento. Carol juntou-se a eles e nos seus olhos, além de lágrimas, lia-se o perdão. Depois, Vitório também o abraçou efusivamente, apresentou seus filhos, noras e netos e enfatizou que vieram para o Natal, mas que ficariam para o casamento, caso ele lhe concedesse a mão de sua mãe.  

Só então Lucas virou-se e viu Maísa que aguardava sua vez para cumprimentá-lo. Ela lhe estendeu os braços entre hesitante e sorridente. A emoção do longo abraço foi a mesma que ele sentiu quando se apaixonou por aquele sorriso cativante.

*Qualquer semelhança com a vida de alguém é mera coincidência.








Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...